Dra Tatiana Moura

DRA TATIANA MOURA

Troca de Implantes

Dra Tatiana moura

@dratatianamoura

Troca de Implantes

Substituição de Prótese:

Uma pergunta comum em nossa prática é: se eu fizer um aumento de mama, quando devo trocar a prótese? É uma pergunta que não tem uma resposta exata. Até alguns anos atrás, era recomendado substituir as próteses usadas para aumento de mama a cada dez anos.

Na verdade, foi apenas uma recomendação, mas sabia-se que, a partir dessa data, o risco de ruptura do implante aumentava significativamente. Atualmente, com as novas próteses de gel de alta coesividade, essa tendência está mudando e podemos prolongar muito mais esses tempos graças à alta resistência dessas próteses.

É importante realizar revisões regulares dos implantes para verificar sua condição, mas os fabricantes estimam que, para as novas próteses, a maioria das mulheres operadas para o aumento dos seios não precisará ser substituída antes de vinte e cinco ou trinta anos; e em muitos casos não será necessário substituir a prótese. A operação de substituição do implante é menos trabalhosa do que um aumento primário da mama.

Reproduzir vídeo

 Na primeira consulta, você receberá informações sobre a intervenção e o cirurgião realizará a história clínica. Nas consultas anteriores à intervenção de substituição do implante, são necessárias a exploração mamária, a medição de determinados parâmetros e o estado geral de saúde e a obtenção de fotografias.

O exame mamário juntamente com a idade e o fundo serão usados para solicitar outros exames complementares (analítico, eletrocardiograma, ultra-som, mamografia, etc.) antes da operação.

As medições ajudarão a decidir a técnica a ser usada e as fotografias servirão para avaliar o resultado. É importante dizer se você sofre de alguma doença grave; se você é um fumante; se você tomar algum medicamento; ou se você é alérgico a qualquer medicamento ou produto. Nosso conselho é que você deve perguntar tudo o que você duvida.

É importante dizer ao cirurgião quais são suas expectativas, para que o cirurgião possa explicar se elas podem ser atendidas ou se há limitações para elas.

O pós-operatório

A substituição do implante requer analgesia, já que o período pós-operatório é doloroso. Além disso, o paciente deve manter uma certa quantidade de descanso de braço e não fazer esforços.

Com boa analgesia e licença médica de alguns dias, o paciente que é submetido a uma substituição de implante pode ser incorporado ao trabalho dentro de uma semana.
É verdade que você não deve fazer esforços com os braços, uma vez que tais esforços nas semanas seguintes após a operação de substituição de implantes poderiam causar dor, desconforto ou contraturas do músculo peitoral.

Após a operação de substituição do implante, o paciente deve ter apoio para os braços, a fim de evitar o deslocamento dos implantes ou sangramento. Inflamação e dor após a operação de substituição do implante são comuns, embora ambas dependam da técnica utilizada e do fator individual de cada cirurgião e do tipo de intervenção. 

Você deve seguir o tratamento médico recomendado, também recomendado para dormir de costas, manter um sutiã específico ou uma bandagem, e não dirigir ou fazer esforços nos dias seguintes à operação de substituição do implante.

Quando devo trocar a prótese?

Até recentemente, era recomendada a cada dez anos, pois se sabia que, a partir dessa data, o risco de quebra do implante mamário aumentava significativamente. Atualmente, a grande resistência oferecida pelas novas próteses de gel de alta coesão, garantem uma vida quase vitalícia. Recomendo check-ups regulares para verificar sua condição, mas os laboratórios do fabricante estimam para essas novas próteses que a maioria das mulheres submetidas a aumento de mama não precisará de substituição de implante mamário antes de vinte e cinco ou trinta anos; e em muitos casos não será necessário substituir a prótese.

Anestesia local ou anestesia geral?

Um dos medos de algumas pacientes é a anestesia. Tradicionalmente, o aumento do peito é uma cirurgia que fazemos sob anestesia geral. Embora seja uma operação de pouco tempo, é aconselhável realizá-la sempre sob o controle estrito do anestesista na sala de cirurgia e em um centro hospitalar que tenha todas as medidas de segurança. Atualmente, temos a possibilidade de realizar essa cirurgia com anestesia local e sedação mínima, o que permite que o paciente esteja praticamente acordado durante toda a intervenção.

No meu canal de Youtube tenho mais de 100 vídeos explicativos de procedimentos

Tem alguma pergunta? Ligue para nós agora!

Rua Itapeva 378, CJ 133, Bela Vista - São Paulo